prefeitura

Música e Gastronomia Negra Carioca

Todo 2º domingo do mês

logomo

Próxima Feira

A Feira

Evento acontece desde 2008

A primeira edição da Feira das Yabás aconteceu em 2008, por iniciativa de Marquinhos de Oswaldo Cruz, que depois de recriar o Trem do Samba e a feijoada da Portela, resolveu cantar seus sambas na quadra da Portelinha, regado a macarrão com carne assada. Nascia, assim, a primeira edição da Feira, que hoje reúne milhares de visitantes e conta com o patrocínio da Prefeitura do Rio de Janeiro, desde abril de 2012.

Além de música na Praça Paulo Portela, a Feira das Yabás conta com 16 barracas de comidas típicas do subúrbio carioca, cada uma com um prato diferente. Nessa cozinha a céu aberto, são as Yabás (termo que refere-se a Yemanjá e Oxum, mas que, no Brasil, é utilizado para definir todo orixá feminino), ou seja, são as matriarcas das famílias mais importantes e tradicionais da região de Oswaldo Cruz, que apresentam suas delícias. Carinhosamente chamadas de “barraqueiras”, as mulheres preparam ali pratos que parecem feitos especialmente para acompanhar as tradicionais rodas que atraem bambas do samba, como Monarco e Tereza Cristina, sem falar no diversificado público de turistas e cariocas das zonas Sul, Oeste e Norte, claro.

A culinária

Com ingredientes como aipim, jiló e frutos do mar, as comidas e petiscos servidos pelas Yabás remetem à influência africana na culinária brasileira. Em sua barraca, Tia Surica (baluarte da Velha Guarda da Portela) oferece mocotó e aipim com carne-seca; entre as refeições mais concorridas está a rabada com batata da Dona Neném, a mais velha das tias, com 87 anos, que também prepara rabada, angu e bolinho de abóbora recheado com carne-seca. Neide Santana serve feijoada de camarão, angu à baiana e feijão amigo.

Na barraca da Jane Carla (viúva de Luiz Carlos da Vila) é vendido cozido de peixe; a barraqueira Romana vai de Carré com Couve à Mineira e caldinhos de mocotó, feijão e ervilha; bobó de camarão é o prato da Jussara; Selma Candeia (filha do sambista Candeia) oferece abóbora com carne seca; a iguaria peixe frito, molho de camarão, pirão e arroz é responsabilidade da Tia Nira; Tia Edith apresenta macarrão com carne assada; Vera Caju mostra o seu cozido e caldo de abóbora; Rose serve a deliciosa galinha com quiabo e na Jane Pereira tem o jiló frito, além de caldos e canjas. Rosângela Maria leva a tripa lombeira e bolinho de bacalhau pra Feira; Marlene oferece roupa velha e feijoada; Tia Natércia e Sueli vão de vaca atolada, carne seca com aipim frito. Para arrematar, a barraqueira Vera de Jesus prepara doces deliciosos.

Os preços das refeições ficam em torno de R$ 15.

  • Adoro essa feira… Curto muito… As comidas, as atrações é muito bom!

    Regina Maia – Facebook
  • Muito bom!! Primeira vez q fui e adoreiiii parabéns a todas as Yabás!! Feira maravilhosa!

    Kelly Santtos – Facebook
  • Meus pés estão doloridos de tanto que sambei! Sou frequentadora assídua!!!

    Luciana Constantino – Facebook

Gastronomia

Um gostinho da comida afro carioca na Zona Norte do Rio de Janeiro.

Nossas Redes

Não perca nem um momento do seu evento favorito, acompanhe a Feira das Yabás em todas as redes sociais.

Yabás

"*Iabá, Yabá ou Iyabá, cujo o termo quer dizer Mãe Rainha, é o termo dado aos orixás femininos, Yemanjá e Oxum, mas no Brasil esse termo é utilizado para definir todos os orixás femininos em geral."

Em sua barraca, Tia Surica (baluarte da Velha Guarda da Portela) oferece mocotó e aipim com carne-seca; entre as refeições mais concorridas está a rabada com batata da Dona Neném, a mais velha das tias, com 87 anos, que também prepara rabada, angu e bolinho de abóbora recheado com carne-seca. Neide Santana serve feijoada de camarão, angu à baiana e feijão amigo.

Na barraca da Jane Carla (viúva de Luiz Carlos da Vila) é vendido cozido de peixe; a barraqueira Romana vai de Carré com Couve à Mineira e caldinhos de mocotó, feijão e ervilha; bobó de camarão é o prato da Jussara; Selma Candeia (filha do sambista Candeia) oferece abóbora com carne seca; a iguaria peixe frito, molho de camarão, pirão e arroz é responsabilidade da Tia Nira; Tia Edith apresenta macarrão com carne assada; Vera Caju mostra o seu cozido e caldo de abóbora; Rose serve a deliciosa galinha com quiabo e na Jane Pereira tem o jiló frito, além de caldos e canjas. Rosângela Maria leva a tripa lombeira e bolinho de bacalhau pra Feira; Marlene oferece roupa velha e feijoada; Tia Natércia e Sueli vão de vaca atolada, carne seca com aipim frito. Para arrematar, a barraqueira Vera de Jesus prepara doces deliciosos.

Tia Surica

Tia Surica

Mocotó

Tia Surica é um rio que passa em nossas vidas, regando nossa alegria, valorizando o sentimento de sermos brasileiros. Saiba mais

Tia Nira

Tia Nira

Peixe Frito

Pra nossa felicidade o peixe frito do jeito que mestre Jaburu fazia está mais gostoso do que nunca, na barraca de peixe de sua herdeira . Saiba mais

Tia Edith

Tia Edith

Macarrão com Carne Assada

Portelense desde criança, passando por várias alas, entre elas a Ala das Baiana, chegou a galeria da Velha Guarda da escola. Saiba mais

Tia Jane Carla

Tia Jane Carla

Cozido de Peixe

Tia Jane Carla sai na Portela desde que desfilava na ala das crianças, que foi criada por Natal da Portela. Saiba mais

Tia Jussara

Tia Jussara

Bobó de Camarão

A família Oliveira, representada na velha Guarda do Império por Balbina pastora, deixou de herança à Feira das Yabás sua filha Jussara. Saiba mais

Tia Vera de Jesus

Tia Vera de Jesus

Doces

Neta da lendária Clementina, Vera faz as receitas de doces que sua avó trouxe desde os tempos de Valência. Saiba mais

Tia Romana

Tia Romana

Carré à Mineira

Falar em culinária nas escolas de samba nos dias de hoje, das mais lembradas cozinheiras estará tia Romana. Saiba mais

Tia Vera Caju

Tia Vera Caju

Cozido

A mangueirense mantinha as tradições no bairro: fazer comidas tradicionais regadas a muito samba. Saiba mais

Tia Marlene

Tia Marlene

Feijoada

Marlene do Nascimento, traz para feira das Yabás a tradição da família Nascimento, seu famoso feijão. Saiba mais

Tia Selma Candeia

Tia Selma Candeia

Carne Seca com Abóbora

Tia Selma traz para a Feira das Yabás o tradicional prato de carne seca com abóbora, tradição de Candeia Pai e Candeia filho. Saiba mais

Tia Rosângela

Tia Rosângela

Tripa Lombeira

Faz justamente a comida que Marquinhos pediu para tia Doca fazer para recepcionar a todos na chegada dos 1º Trem do Samba.
Saiba mais

Tia Jane Pereira

Tia Jane Pereira

Jiló Frito

O samba é pródigo em seus grandes poetas. Jane Pereira vem mostrar que o samba também é pródigo em suas grandes mulheres. Saiba mais

Neide Sant'Ana

Neide Sant'Ana

Angu à Baiana

Herdou da mãe os seus dotes culinários, que encantaram Chico Santana, um dos maiores sambistas portelenses. Saiba mais

Tia Natércia

Tia Natércia

Vaca Atolada

Sua casa em Oswaldo Cruz é uma das mais festeiras. Era a responsável pela culinária do pagode “Cura Ressaca” na década de 80. Saiba mais

Tia Neném

Tia Neném

A família de Dona Neném tem sua história ligada ao samba e à Portela, sempre faziam suas festas regadas a muita comida, claro feitas por D Neném. Saiba mais

Tia Rose

Tia Rose

Galinha com Quiabo

Herdeira das mais enraizadas tradições suburbanas, rega com seu tempero, as festas do marido, o sambista Marquinhos de Oswaldo Cruz. Saiba mais

Tia Surica

Tia Surica

Mocotó

Tia Surica é um rio que passa em nossas vidas, regando nossa alegria, valorizando o sentimento de sermos brasileiros. Saiba mais

Tia Nira

Tia Nira

Peixe Frito

Pra nossa felicidade o peixe frito do jeito que mestre Jaburu fazia está mais gostoso do que nunca, na barraca de peixe de sua herdeira . Saiba mais

Tia Edith

Tia Edith

Macarrão com Carne Assada

Portelense desde criança, passando por várias alas, entre elas a Ala das Baiana, chegou a galeria da Velha Guarda da escola. Saiba mais

Tia Jane Carla

Tia Jane Carla

Cozido de Peixe

Tia Jane Carla sai na Portela desde que desfilava na ala das crianças, que foi criada por Natal da Portela. Saiba mais

Tia Jussara

Tia Jussara

Bobó de Camarão

A família Oliveira, representada na velha Guarda do Império por Balbina pastora, deixou de herança à Feira das Yabás sua filha Jussara. Saiba mais

Tia Vera de Jesus

Tia Vera de Jesus

Doces

Neta da lendária Clementina, Vera faz as receitas de doces que sua avó trouxe desde os tempos de Valência. Saiba mais

Tia Romana

Tia Romana

Carré à Mineira

Falar em culinária nas escolas de samba nos dias de hoje, das mais lembradas cozinheiras estará tia Romana. Saiba mais

Tia Vera Caju

Tia Vera Caju

Cozido

A mangueirense mantinha as tradições no bairro: fazer comidas tradicionais regadas a muito samba. Saiba mais

Tia Marlene

Tia Marlene

Feijoada

Marlene do Nascimento, traz para feira das Yabás a tradição da família Nascimento, seu famoso feijão. Saiba mais

Tia Selma Candeia

Tia Selma Candeia

Carne Seca com Abóbora

Tia Selma traz para a Feira das Yabás o tradicional prato de carne seca com abóbora, tradição de Candeia Pai e Candeia filho. Saiba mais

Tia Rosângela

Tia Rosângela

Tripa Lombeira

Faz justamente a comida que Marquinhos pediu para tia Doca fazer para recepcionar a todos na chegada dos 1º Trem do Samba.
Saiba mais

Tia Jane Pereira

Tia Jane Pereira

Jiló Frito

O samba é pródigo em seus grandes poetas. Jane Pereira vem mostrar que o samba também é pródigo em suas grandes mulheres. Saiba mais

Neide Sant'Ana

Neide Sant'Ana

Angu à Baiana

Herdou da mãe os seus dotes culinários, que encantaram Chico Santana, um dos maiores sambistas portelenses. Saiba mais

Tia Natércia

Tia Natércia

Vaca Atolada

Sua casa em Oswaldo Cruz é uma das mais festeiras. Era a responsável pela culinária do pagode “Cura Ressaca” na década de 80. Saiba mais

Tia Neném

Tia Neném

A família de Dona Neném tem sua história ligada ao samba e à Portela, sempre faziam suas festas regadas a muita comida, claro feitas por D Neném. Saiba mais

Tia Rose

Tia Rose

Galinha com Quiabo

Herdeira das mais enraizadas tradições suburbanas, rega com seu tempero, as festas do marido, o sambista Marquinhos de Oswaldo Cruz. Saiba mais

Como Chegar

Estrada do Portela, em Madureira/RJ, no trecho que vai da 29ª Delegacia Legal até a Portelinha. O palco fica montado na Praça Paulo Portela..


Veja a melhor forma de chegar à Feira das Yabás.

Realizado no coração da Zona Norte, o evento pode ser acessado através de diversos meios de transporte. Confira:

icon_bus COMO CHEGAR DE ÔNIBUS
Linhas: 667, 766, 774, 940, 261, 277, 355, 638, 650, 669, 742, 769,
773, 785, 908, 910, 918, 928, SPA261

icon_trem COMO CHEGAR DE TREM
Ramal: Santa Cruz, Japeri, Nova Iguaçu e descer na estação Oswaldo Cruz.

O evento

A Feira das Yabás chega a atingir um público de 5 mil visitantes por evento!

 

Anteriores

  • Marquinhos de Oswaldo Cruz disse na Feira que algumas pessoas reclamam que lá só se canta música velha e que se deveria cantar sambas mais recentes. Marquinhos, vamos à Feira não por músicas velhas, mas por ouvir com muito gosto SAMBAS CLÁSSICOS, e se são clássicos resistem aos embates do tempo. Então, continuem esse BELÍSSIMO TRABALHO e que venham mais clássicos que alimentam a árvore do samba, a partir do fortalecimento de suas raízes. Abraços! Axé!

    Wagner Mattos
  • Sempre melhor opção de domingos, esse é realmente um bom lugar, com pessoas lindas, um colírio para os olhos, comidas só vindo para saber como é, a Feira das Yabás é show.

    Catarina Camaleoa
  • Marquinhos de Oswaldo Cruz disse na Feira que algumas pessoas reclamam que lá só se canta música velha e que se deveria cantar sambas mais recentes. Marquinhos, vamos à Feira não por músicas velhas, mas por ouvir com muito gosto SAMBAS CLÁSSICOS, e se são clássicos resistem aos embates do tempo. Então, continuem esse BELÍSSIMO TRABALHO e que venham mais clássicos que alimentam a árvore do samba, a partir do fortalecimento de suas raízes. Abraços! Axé!

    Wagner Mattos
  • Sempre melhor opção de domingos, esse é realmente um bom lugar, com pessoas lindas, um colírio para os olhos, comidas só vindo para saber como é, a Feira das Yabás é show.

    Catarina Camaleoa
ONG AÇÃO LUZ DO AMANHÃ
CONCEITO A MAIS
GLOBO

ENTRE EM CONTATO

E não deixe de curtir a Feira das Yabás todo 2º domingo do mês.